Home > Notícias > Nossos artigos > Sem veneno: a alternativa bem-sucedida à expansão das monoculturas vem de regiões locais

This post is also available in: Inglês, Italiano, Espanhol, Alemão
Array
(
    [en] => Array
        (
            [code] => en
            [id] => 1
            [native_name] => English
            [major] => 1
            [active] => 0
            [default_locale] => en_US
            [encode_url] => 0
            [tag] => en
            [missing] => 0
            [translated_name] => Inglês
            [url] => https://navdanyainternational.org/poison-free-the-successful-alternative-to-the-expansion-of-monocultures-comes-from-local-regions/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/en.png
            [language_code] => en
        )

    [it] => Array
        (
            [code] => it
            [id] => 27
            [native_name] => Italiano
            [major] => 1
            [active] => 0
            [default_locale] => it_IT
            [encode_url] => 0
            [tag] => it
            [missing] => 0
            [translated_name] => Italiano
            [url] => https://navdanyainternational.org/it/poison-free-dai-territori-lalternativa-vincente-allespandersi-delle-monocolture/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/it.png
            [language_code] => it
        )

    [es] => Array
        (
            [code] => es
            [id] => 2
            [native_name] => Español
            [major] => 1
            [active] => 0
            [default_locale] => es_ES
            [encode_url] => 0
            [tag] => es
            [missing] => 0
            [translated_name] => Espanhol
            [url] => https://navdanyainternational.org/es/libres-de-veneno-la-alternativa-exitosa-ante-la-expansion-de-los-monocultivos-proviene-de-las-regiones-locales/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/es.png
            [language_code] => es
        )

    [fr] => Array
        (
            [code] => fr
            [id] => 4
            [native_name] => Français
            [major] => 1
            [active] => 0
            [default_locale] => fr_FR
            [encode_url] => 0
            [tag] => fr
            [missing] => 1
            [translated_name] => Francês
            [url] => https://navdanyainternational.org/fr/poison-free-the-successful-alternative-to-the-expansion-of-monocultures-comes-from-local-regions/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/fr.png
            [language_code] => fr
        )

    [de] => Array
        (
            [code] => de
            [id] => 3
            [native_name] => Deutsch
            [major] => 1
            [active] => 0
            [default_locale] => de_DE
            [encode_url] => 0
            [tag] => de
            [missing] => 0
            [translated_name] => Alemão
            [url] => https://navdanyainternational.org/de/frei-von-gift-die-erfolgreiche-alternative-zur-ausbreitung-von-monokulturen-kommt-aus-den-ansaessigen-regionen/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/de.png
            [language_code] => de
        )

    [pt-br] => Array
        (
            [code] => pt-br
            [id] => 43
            [native_name] => Português
            [major] => 0
            [active] => 1
            [default_locale] => pt_BR
            [encode_url] => 0
            [tag] => pt-br
            [missing] => 0
            [translated_name] => Português
            [url] => https://navdanyainternational.org/pt-br/sem-veneno-a-alternativa-bem-sucedida-a-expansao-das-monoculturas-vem-de-regioes-locais/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/pt-br.png
            [language_code] => pt-br
        )

    [el] => Array
        (
            [code] => el
            [id] => 13
            [native_name] => Ελληνικα
            [major] => 0
            [active] => 0
            [default_locale] => el
            [encode_url] => 0
            [tag] => el
            [missing] => 1
            [translated_name] => Grego
            [url] => https://navdanyainternational.org/el/poison-free-the-successful-alternative-to-the-expansion-of-monocultures-comes-from-local-regions/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/el.png
            [language_code] => el
        )

    [ca] => Array
        (
            [code] => ca
            [id] => 8
            [native_name] => Català
            [major] => 0
            [active] => 0
            [default_locale] => ca
            [encode_url] => 0
            [tag] => ca
            [missing] => 1
            [translated_name] => Catalão
            [url] => https://navdanyainternational.org/ca/poison-free-the-successful-alternative-to-the-expansion-of-monocultures-comes-from-local-regions/
            [country_flag_url] => https://navdanyainternational.org/wp-content/plugins/sitepress-multilingual-cms/res/flags/ca.png
            [language_code] => ca
        )

)

Há um número crescente de autoridades locais, associações e pesquisadores independentes que pedem um modelo de produção agrícola mais ecológico que respeite o meio ambiente, a saúde dos cidadãos, a beleza das paisagens e seu significado cultural e social. É precisamente nessas áreas que as primeiras vitórias contra a monocultura intensiva dos agronegócios estão sendo registradas; forçando-os a desacelerar seu progresso e a recuar quando confrontados com a forte oposição das comunidades locais. Noccioland, reportagem de Manlio Masucci publicada na edição de Julho da revista Terra Nuova, analisa o fenômeno da expansão de monoculturas intensivas de avelã na Itália, impulsionadas por multinacionais da indústria confeiteira. A reportagem também comprova como as boas práticas agroecológicas oferecem uma alternativa válida e sustentável do ponto de vista ambiental e econômico. Existem vários prefeitos que, sob pressão das associações, emitiram ordens restritivas contra as monoculturas e os tratamentos químicos que as acompanham. Ordens como a de Montefiascone, uma vila às margens do Lago Bolsena, é um modelo para todos os prefeitos que desejam que seus municípios comecem a mudar de maneira transitória para libertar seu território de um modelo de produção que é prejudicial ao meio ambiente, à saúde, ao tecido social e à economia local.

Alimentos e Agricultura Sem Veneno 2030

Content not available.
Please allow cookies by clicking Accept on the banner

A pesquisa começa na região da Tuscia, na província de Viterbo, onde são cultivadas 30% das avelãs italianas. Segundo a reportagem, “é precisamente a região da Tuscia que representa a linha de frente mais importante de um conflito que parece estar prestes a se expandir para outras áreas do país. A Tuscia, onde os problemas relacionados ao cultivo intensivo de avelãs são mais evidentes, tornou-se um laboratório onde é possível avaliar tanto a magnitude do conflito quanto a resistência com modelos alternativos. Essas resistências são baseadas na agricultura orgânica e no envolvimento de todos os atores locais inseridos em circuitos econômicos virtuosos. Esse é, por exemplo, o objetivo da bio região de Via Amerina e Forre, que há quase dez anos tenta defender a agricultura ambientalmente responsável. ”

A crescente expansão do cultivo das avelãs é a demanda das multinacionais do setor, como a Ferrero, que oferece um contrato atraente aos produtores. No entanto, esse modelo de monocultura não é o único presente no território. A reportagem trata dos motivos que levam os agricultores orgânicos a usarem a biodiversidade local sem agrotóxicos para combater a ameaça mais perigosa para as avelãs – o percevejo parasitário. As margens de lucro desses agricultores orgânicos são significativas devido à crescente demanda do mercado orgânico. Portanto, a sustentabilidade econômica está ao alcance de produtores e processadores orgânicos que pretendem investir em novos projetos de agregação baseados no aprimoramento de cadeias de suprimentos locais, circuitos comerciais fechados e economia circular.

The Future of Food – Farming with Nature, Cultivating the Future

Content not available.
Please allow cookies by clicking Accept on the banner

Após rever os problemas relacionados às monoculturas intensivas, como é o caso da potabilidade da água nos municípios limítrofes do Lago de Vico, a pesquisa analisa as contribuições de vários especialistas da Universidade da Tuscia, ISDE (Sociedade Internacional de Médicos para o Meio Ambiente) bem como advogados ambientais, que fornecem uma explicação detalhada das ações que podem ser tomadas em âmbito local e nacional para proteger os territórios contra o avanço das monoculturas.

Alimento para Saúde

Content not available.
Please allow cookies by clicking Accept on the banner

Esse é um manual de referência importante em um momento em que as monoculturas parecem estar avançando rapidamente no país, quando atravessam as fronteiras do Lácio para chegar à Úmbria, Marcas e Toscana. Os bons resultados obtidos pelos comitês territoriais da Tuscia levaram os representantes locais de outras áreas geográficas a se estruturarem em uma rede nacional, a fim de organizar a resistência contra o avanço das monoculturas de avelãs. As demandas provenientes dos territórios são para uma produção eco-sustentável que leve em consideração as necessidades dos solos, aquíferos, paisagens e a saúde dos cidadãos, e não se concentre apenas na extração de matéria-prima e na lucratividade das multinacionais.

Outra questão importante é a dos subsídios agrícolas, principalmente os subsídios europeus, que continuam a beneficiar a agricultura convencional, tornando-a artificialmente sustentável. Os custos reais, sejam eles sociais, ambientais ou relacionados à saúde, são na verdade terceirizados e a percepção de viabilidade econômica é obtida através da manipulação do mercado. Como mostra a reportagem, a agricultura convencional não apenas danifica a agricultura orgânica afetando diretamente a produção mas também “… sem considerar o dano econômico à comunidade […], esses tratamentos químicos têm custos elevados tanto na compra do produto químico quanto na mão-de-obra necessária para a sua aplicação. Além disso, há um aumento nos custos de irrigação, considerando que a terra tratada quimicamente é mais sedenta que a terra orgânica não danificada, que preservou sua capacidade de reter água.”

Um modelo alternativo de produção baseado em uma abordagem agroecológica é possível, e atualmente existem muitos municípios que, para consolidarem seus esforços mútuos, estão caminhando para o estabelecimento de bio regiões. A partir dos resultados da experiência de muitos, é de fato possível demonstrar como uma cadeia de suprimentos local, da produção ao processamento e comercialização, pode funcionar melhor do que um monopólio que determina o controle absoluto dos preços.

A reportagem inicia com uma carta aberta do diretor da Terra Nuova, Nicholas Bawtree, ao presidente da Ferrero, Giovanni Ferrero, pedindo que a multinacional da Nutella facilite a transição para um modelo de produção verdadeiramente sustentável.


Translation kindly provided by Isabelle Tabachi

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close