Home > Notícias > Nossos artigos > O caminho além da extinção e da fuga: Voltar para a Terra, Regenerar e Partilhar

Mensagem para o Dia Mundial do Ambiente, 5 de junho 2020 

De Dr. Vandana Shiva

* No dia 31 de maio, enquanto pessoas estavam a perecer durante a pandemia de Corona, enquanto milhões perderam os seus sustentos e estavam a passar fome durante o “confinamento”, enquanto milhões marchavam de cidade em cidade nos EUA para protestar contra a brutalidade e violência policial após o assassinato de George Floyd por um polícia de Minneapolis, o bilionário Elon Musk apresentou Space X.

Para mim esta foi uma demonstração da arrogância, da indiferença e do poder daquele 1% que levou os ecossistemas, as comunidades, os países e a humanidade à beira de um colapso.

Musk quer criar uma cidade Space X “autossustentável” em Marte no próximo século para uma fração privilegiada de seres humanos. Ele ignora que o facto de não existir um Planeta B, de a Terra ser o nosso único planeta habitável, ela é vida, ela está viva.

Musk falou acerca de ser emocional durante a apresentação de Space X. Homens poderosos têm “emoções” pelas suas máquinas, não por pessoas ou outros seres. Eles falam do facto de os humanos se estarem a tornar numa “civilização nómada espacial e uma espécie multiplanetária”. Eles ainda se encontram em negação de que nós somos todos terráqueos que partilham a vida com outros seres na terra, a nossa casa comum. Os bilionários que violaram os limites planetários e contribuíram para a destruição da terra e da injustiça e desigualdade na sociedade, parecem querer “fugir” da sua humanidade e da ameaça a extinção que ajudaram a criar.

Como membros da comunidade da terra eles têm a responsabilidade de cuidar da terra, não de a explorar e quando os danos estão feitos, decidir abandoná-la e colonizar outros planetas.

Com o dinheiro que Musk está a investir no Space X, milhões poderiam ser investidos de forma criativa para regenerar a Terra, a nossa casa comum, tornando-a habitável em todo o lado, para gerações presentes e futuras.

A sexta extinção em massa é um fenómeno feito pelo Homem: é criada pela ganância desmedida de alguns.

Considere apenas um exemplo, mesmo quando está pintado de “verde” – o apetite ilimitado da industria de carros elétricos de Musk por Lítio levou à expansão das minas de lítio no norte do Tibete, no sul da América e no Chile e na Bolívia. Com a procura de carros elétricos, espera-se que a procura de lítio duplique ou mais em 2025 com um dano exponencial no ambiente e nas comunidades circunjacentes.

De acordo com Evo Morales, o antigo presidente da Bolívia, o golpe contra ele foi um golpe de lítio. O golpe foi sentido uma semana após Morales ter nacionalizado o lítio, a 4 de novembro de 2019, dizendo que este pertence ao povo Boliviano, e não a multinacionais, cancelando o Acordo de 2018 com o Sistema Alemacia (ACISA) da Alemanha levando a semanas de protestos por parte dos residentes de Potosí, área que tem 50% a 70% das reservas de lítio do mundo, nas salinas de Salar de Uyuni. ACISA fornece baterias à Tesla, empresa liderada por Elon Musk e o golpe resultou num crescimento enorme do stock da empresa. [1] [2]

Quando os ricos e poderosos destruíram o tratado obrigatório sobre as Alterações Climáticas, em 2009 em Copenhaga, Evo Morales mencionou a Conferência dos Partidos, relembrando toda a gente que os governos deviam negociar formas de proteger a Terra Mãe, e não os direitos dos poluidores. Como contramedida, ele anunciou que organizaria uma Cimeira sobre as Alterações Climáticas e os Direitos da Terra Mãe. Eu tive a honra de trabalhar com o grupo criado pelo governo da Bolívia para preparar um Rascunho da Declaração Universal dos Direitos da Terra Mãe. [3]

Como cidadãos da Terra temos uma escolha – ou seguimos as leis da ganância do mercado e do lucro ilimitado, ou as leis da Terra.

Enquanto fazemos mudanças para uma economia pós Covid, temos de ter em conta os custos totais ecológicos, sociais e políticos do que está a ser oferecido e que escolhas devemos fazer. A interpretação dos custos reais invisíveis para a terra e para as pessoas é a maneira que as grandes empresas do mundo acumulam a sua riqueza, polarizando mais a sociedade, negando milhões dos seus direitos fundamentais, debilitando a democracia, e aumentando as suas pegadas ecológicas, deixando estes custos nascer graças à Terra e a comunidades vulneráveis.

Como sempre, os colonizadores deixam os locais e espaços que possuem destruídos e poluídos, e encontram novas colónias a ocupar e a extrair, utilizando-as como o próximo passo no progresso, como soluções para as crises ecológicas e de pobreza para as quais contribuíram, encontrando outros locais e outras pessoas para dominar e lucrar a partir delas.

Cecil Rhodes, colonizador de Zimbabué (antiga Rodésia) afirmou francamente “Devemos encontrar novas terras através das quais podemos facilmente obter materiais crus e ao mesmo tempo explorar o trabalho barato de escravos que se encontra disponível aos nativos das colónias. As colónias também forneceriam uma lixeira para os excedentes dos produtos produzidos pelas nossas fábricas.” [4]

Este ainda é o modelo económico daquele 1%. As ferramentas de extração, e as colónias podem mudar, mas os parâmetros de colonização mantêm-se idênticos – pega e rouba o que pertence a outros, faz disso como se te pertencesse, coleciona rendas do seu dono original, transforma o deslocado num trabalho barato de escravos para fornecer materiais crus baratos, e transforma-os em consumidores dos teus produtos industriais.

Para Elon Musk, as colónias são ao mesmo tempo outros planetas, como Marte, e países ricos em lítio. Para Bill Gates e Big Tech, as novas colónias são os nossos corpos e mentes – como mencionado na Patente WIPO, n.º WO2020/06060 a qual foi concebida ao bilionário durante o pico do Corona Vírus e do confinamento, no final de março. Este é o novo passo no plano dos gigantes da tecnologia, cujo objetivo é a digitalização do mundo onde as pessoas e os seus trabalhos estão a ser tornados “inúteis” e estão a ser reduzidos a “utilizadores” das “máquinas”.

A ditadura digital baseada na premissa que 90% da humanidade é dispensável e não tem obrigação a justiça social e direitos humanos. Uma ditadura digital não é geradora de vida nem de uma economia sustentável. Pode funcionar através da extração de dados das nossas mentes e dos nossos corpos durante alguns anos como “capitalismo vigilante”, mas, devido ao facto de não criar condições geradoras que suportem a economia da vida em natureza e a economia sustentável das pessoas, porque não nutre a nossa saúde, os nosso corpos e as nossas mentes, nem a nossa criatividade, ou a nossa liberdade ou o nosso ser terráqueo – acabará por destruir a base ecológica e social da economia e do nosso futuro enquanto espécie.

A negação dos processos ecológicos que apoiam a economia, e a externalização dos custos sociais e ecológicos, criam condições para um colapso ecológico.

A Economia e a Ecologia derivam da mesma palavra “oikos”, a nossa casa, ambas ao mesmo tempo a nossa casa planetária e locais particulares a que chamamos casa. Ainda assim, o que é denominado hoje como economia está a destruir a nossa casa comum. Aristóteles definiu “oikonomia” como a “arte de viver”. Ele diferenciou esta da “arte de fazer dinheiro” o que ele definiu como “chrematistics”: O jogo que os bilionários jogam não tem o mérito de se chamar economia, nem cuidado pela casa, nem arte de viver. É a forma extrativa e nua de fazer dinheiro, em guerra com a vida e a criatividade.

Os gigantes digitais estão falsamente a criar a linguagem de “desmaterialização”, como se a economia digital fosse um dia desaparecer, sem recursos ou energia. Contudo, uma economia digital é muita intensa em energia e tem uma pegada muito pesada a nível social e ecológico. As tecnologias digitais emitem atualmente 4% de emissão de gás efeito estufa (GHG), e o seu consumo de energia está a aumentar 9% por ano. O tráfego de dados é responsável por mais de metade do impacto global da tecnologia digital, com 55% de consumo enérgico anual. Cada byte transferido ou armazenado requere uma grande escala e terminais e infraestruturas que necessitam de muita energia (centros de dados, networks). Este tráfego está a aumentar mais de 25% por ano. Quanto tempo demorará até que carga ecológica da digitalização de cada aspeto da nossa vida irá levar ao colapso dos restantes ecossistemas, levando a espécie sobrevivente à extinção? [5]

Todas as sociedades e cidadãos democráticos precisam de medir esses custos, e certificar-se que o “princípio de precaução” e “e o princípio dos poluidores pagam” sejam aplicados na economia digital. Que os poluidores não “escapem” às suas responsabilidades ecológicas e democráticas, e que os ditadores não imponham o seu “capitalismo vigilante”.

Existem outras opções além da colonização, além da extinção, que inicialmente levaram outras espécies e culturas à extinção – e está agora a ameaçar a extinção de toda a espécie humana.

No lugar de os ricos ignorarem e fugirem da Terra, o caminho que enquanto humanos deveriam estar a seguir é o Regresso à Terra, nas nossas mentes, nos nossos corações, e nas nossas vidas – como uma Comunidade da Terra com um potencial para cocriar, coproduzir, e regenerar e permitir que a Terra cuide de nós. Este é o caminho para recuperar os nossos poderes criativos para moldar as nossas economias e democracias de baixo a cima. Esta é a prática de Democracia da Terra.

Temos de mudar do antropocentrismo para o reconhecimento de todos os humanos e todos os seres que são membros desta Família Terra. A suposição de superioridade do ser humano face às outras espécies, e alguns seres humanos de cor, género ou religião diferentes, é a raiz da violência contra mulheres, negros e pessoas indígenas. Serviu como justificação para a exterminação de espécies e culturas. É o que levou ao assassinato violento de George Floyd, e muitos outros antes dele. E esta suposição de antropocentrismo é a raiz desta crise de extinção.

Temos de alterar esta suposição que violar os limites planetários, do ecossistema, da espécie e dos direitos humanos é uma medida de progresso e superioridade – para criar economias com base no respeito de leis e limites ecológicos, e respeitar os direitos de cada pessoa e cada criança. Temos de no lugar de ver dinheiro e tecnologia como mestres na nova religião de fazer dinheiro, “chrematistics”, ver que se tratam apenas de meios que devem ser governados e regulados democraticamente para maiores fins ecológicos e humanos.

Temos de trocar o extrativismo na base da economia, para a solidariedade e a dádiva como base de uma economia circular, solidária e estável.

Temos de alterar a clausura dos bens comuns daquele 1% para a recuperação dos bens comuns para o bem comum e o bem-estar de todos.

A humanidade deve optar por se manter viva ao cuidar da nossa casa comum, a Terra e entre nós, rejuvenescendo o Planeta, e através dele semear as sementes do nosso futuro comum.

“Apenas sendo uma comunidade terráquea e uma humanidade, unida na sua diversidade, podemos proteger-nos juntos e caminhar para longe do nosso precipício, e escapar à destruição, ao assassinato ecológico, ao genocídio liderado pelo 1% e as alucinações das mentes mecânicas. O 1% levou-nos a este ponto, como uma ovelha que vai ser abatida. Mas podemos dar a volta e caminhar na direção da nossa liberdade. Para viver livremente. Para pensar livremente. Para respirar livremente. Para comer livremente. A mudança do futuro está nas nossas mentes, nos nossos corações e nas nossas mãos.”

[Oneness vs 1% – Shattering Illusions, Seeding Freedom (Unidade vs 1% – Quebrando ilusões, Semeando Liberdade), Women Unlimited, New Internationalist, Il pianeta di tutti – Come il capitalismo ha colonizzato la Terra, El Planeta es de todos: Unidad contra el 1%, Editorial Popular, 1% – Reprendre le pouvoir face à la toute- puissance des riches, Rue de l’échiquie] 

Referências:

[1] https://www.trtworld.com/magazine/was-bolivia-s-coup-over-lithium-32033

[2] https://www.commondreams.org/news/2019/11/11/bolivian-coup-comes-less-week-after-morales-stopped-multinational-firms-lithium-deal

[3] http://www.navdanya.org/newsite/index.php?option=com_k2&view=item&id=343:universal-declaration-of-the-rights-of-mother-earth&Itemid=214&tmpl=component&print=1

[4] (Pg 116  Terry Gibbs, Why the Dalai Lama is a Socialist)

[5] ( Fonte: https://theshiftproject.org/wp-content/uploads/2019/07/2019-02.pdf)

*Tradução feita em Português de Portugal


Translation kindly provided by Silvia Tavares

Photo: Manlio Masucci

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close